Arquivo diários:8 de novembro de 2017

Vídeo: Quem são as pessoas que buscam imóveis na internet?

Resultado de imagem para Vídeo: Quem são as pessoas que buscam imóveis na internet?

Como comentei neste post, tive a honra de ser convidada para participar do Wikihauslab, projeto da incorporadora Wikihaus que tem como objetivo estimular uma nova forma de pensar o mercado imobiliário.

Participei gravando dois vídeos onde compartilho estatísticas e informações sobre 1. Como as pessoas buscam imóveis na internet? . 2. Quem são as pessoas que buscam imóveis na internet.

Neste segundo vídeo falo coisas como:

  • Qual a faixa etária de quem busca imóveis na internet?
  • Quais dispositivos tecnológicos utilizam?
  • O que as pessoas valorizam na hora de escolher o novo lar?
  • Gênero;
  • Faixa etária;
  • Itens que valoriza na vizinhança;
  • Entre muitos outros…

Veja abaixo. Espero que gostem!

 

Sem dinheiro, foco da Caixa será financiar imóveis populares.

Agência da Caixa: crédito imobiliário para a classe média alta continuará restrito. (Pillar Pedreira/Agência Senado)

Banco liberou 8,7 bilhões de reais para famílias que ganhem até R$ 4 mil por mês e prorrogou o financiamento de parcela maior de usados.

São Paulo – Sem recursos e com dificuldades para aprovar novos financiamentos imobiliários, a Caixa Econômica Federal anunciou na noite desta segunda-feira (6) que irá remanejar 8,7 bilhões de reais para o programa Minha Casa Minha Vida, destinado a famílias que ganham de 1,5 mil reais a 4 mil reais.

O dinheiro foi retirado de linhas de crédito oferecidas pelo banco para empresas, como capital de giro e desconto de duplicatas, além de outras linhas de financiamento imobiliário, destinadas à classe média alta.

Segundo informações do próprio banco, o segmento foi priorizado porque essa faixa de renda corresponde a 86% dos financiamentos feitos com recursos do FGTS. O objetivo é normalizar os financiamentos para esta faixa, que vinham enfrentando atrasos na aprovação por falta de recursos do banco.

Para famílias com renda superior a 4 mil reais mensais, para as quais o financiamento utiliza majoritariamente recursos da poupança, a Caixa continuará com entraves para emprestar. Não há previsão de novos aportes nesse segmento neste ano. É mais provável que eles sejam destravados apenas no ano que vem, quando o banco terá um novo orçamento para o segmento. Saiba mais: A Concórdia apresenta 6 motivos para você não investir na poupança Patrocinado

A Caixa já havia anunciado que a linha Pró-Cotista, que usa recursos do FGTS e atende a classe média alta, só voltará a ficar disponível no ano que vem. A linha é a mais barata para esse faixa de clientes, com juros que variam de 7,85% a 8,85% ao ano.

Prorrogação do financiamento de 80% do valor de usados

O banco também anunciou que irá prorrogar, até o final desse mês, o financiamento de até 80% de imóveis usados. Em setembro, a Caixa reduziu a fatia do financiamento desse tipo de imóvel de 80% para 50%.

No entanto, a opção só vale para quem já está com o processo de financiamento concluído, mas depende da liberação de novos recursos pelo banco.

Como a Caixa tem agora um orçamento mensal para liberação de recursos, o banco usará o orçamento de novembro para honrar com os financiamentos já concluídos. O banco esperava honrar com todos os financiamentos em outubro, mas não conseguiu.

A Caixa esclarece, em nota, que a contratação do crédito imobiliário neste ano está cerca de 20% superior em relação ao mesmo período do ano passado e que já emprestou mais de 72,4 bilhões de reais até o momento em todas as suas modalidades de crédito imobiliário.

Considerando o ritmo de contratação e a publicação da Instrução Normativa 32/2017, do Ministério das Cidades, o banco diz ter adotado a estratégia de execução mensal do orçamento para todas as linhas de crédito imobiliário com objetivo de cumprir o orçamento anual disponível até dezembro.

As condições de contratações de imóveis novos não sofreram alterações, permanecendo as cotas de financiamento de até 80% do valor das unidades. “Essa medida tem o objetivo de manter aquecida a indústria da construção civil do país, responsável por gerar emprego e renda”, diz o banco, em posicionamento.

Fonte: exame.abril.com.br

Por Marília Almeida