Arquivo diários:14 de setembro de 2018

Sem tecnologia e comunicação obra está fadada ao prejuízo.

Retrabalho, gerenciamento de conflitos e desinformação sobre projeto geram bilhões de dólares de perdas, diz pesquisa.

Retrabalho, gerenciamento de conflitos e desinformação sobre o projeto são os problemas que mais geram atraso no canteiro de obras. O uso da tecnologia, facilitando a comunicação e o acesso às informações, é a melhor ferramenta para minimizar o impacto no cronograma. Pesquisa global revela que uma equipe de obras perde 14 horas por semana com retrabalho, gerenciamento de conflitos e na busca de dados do projeto. Só nos Estados Unidos, o impacto desses problemas causa perda anual que passa de 30 bilhões de dólares.

Das 14 horas perdidas semanalmente, os pesquisados disseram que cinco horas e meia são corroídas por causa de pesquisa de dados do projeto e outras informações relevantes para o trabalho. Quase cinco horas se esvaem em resolução de conflitos, incluindo gerenciamento de desacordos entre partes interessadas, como o contratante-geral, proprietários e subcontratados responsáveis ​​pela entrega do projeto.

Outras quatro horas são gastas com atividades relacionadas a retrabalho, como gerenciar os erros em um projeto, avaliar os custos associados da correção e buscar o porquê dos erros terem acontecido. O resultado, segundo a pesquisa, é que, no acumulativo das horas perdidas, o setor da construção civil – globalmente falando – desperdiça pelo menos 177 bilhões de dólares por ano com a mão de obra. Neste custo global, estão incluídas horas sem produtividade, gastos com horas extras para compensar as horas não-produtivas, extensão de contratos de terceiros, pagamento de multas e substituição de equipes.

Não basta apenas oferecer as ferramentas. É preciso ensinar a usá-las

Uma das conclusões da pesquisa é que quase metade de todo o retrabalho no canteiro de obras se deve à falta de comunicação entre os envolvidos no projeto. Em alguns países, esse problema representa de 48% a 56% de todo o retrabalho gerado. Os entrevistados também citaram o que leva à falta de comunicação. Destacam-se: a ausência de respostas dos projetistas aos engenheiros que atuam no canteiro de obras, a incapacidade de aceitar mudanças no projeto e a dificuldade em compartilhar dados do projeto.

Para os coordenadores da pesquisa, essa é a principal barreira a ser vencida. “A falta de comunicação entre os membros da equipe e as informações incorretas ou inacessíveis de que os trabalhadores precisam para realizar a obra estão custando à indústria da construção dezenas de bilhões de dólares anualmente”, diz Jay Snyder, líder de práticas tecnológicas da FMI Corporation – empresa de consultoria dos Estados Unidos contratada para realizar a pesquisa.

O estudo detectou também que 75% dos entrevistados fornecem dispositivos móveis – smartphones ou tablets – para seus gerentes de projeto e supervisores de canteiros de obras, mas que 80% dos que possuem essas ferramentas continuam usando e-mails e telefonemas para conseguir informações sobre os projetos. A conclusão é que não basta apenas oferecer equipamentos, mas treinar os profissionais para que eles saibam explorar as tecnologias. Por outro lado, nos canteiros de obras que aprenderam a se beneficiar das ferramentas móveis e online, o retrabalho reduziu 57%, o gerenciamento de conflitos 58% e a desinformação sobre o projeto caiu 56%.

Acesse a pesquisa completa

Entrevistado
Engenheiro de produção Jay Snyder, líder de práticas tecnológicas da FMI Corporation – empresa de consultoria dos EUA 
(via assessoria de imprensa)

Contato: jsnyder@fminet.com

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330

Fonte: http://www.cimentoitambe.com.br

Ranking: Cotia é a 12ª cidade paulista em urbanismo.

Município é o único da região a aparecer no ranking das 50 melhores notas do País neste indicador, de acordo com estudo Connected Smart Cities 2018.

Fotos – Vagner Santos

O município de Cotia ocupou lugar de destaque no indicador “Urbanismo” do Ranking Connected Smart Cities, divulgado pela Urban Systems em parceria com a Sator. O estudo atribuiu nota 5,570 para Cotia e o município ocupou a colocação número 12 no cenário estadual e 24, no País. O resultado deixou Cotia com apenas 1,152 pontos atrás da primeira colocada no ranking nacional, lugar que foi ocupado pela capital paulista, com nota 6,722.

Para o prefeito Rogério Franco, o resultado mostra que a cidade está no caminho certo. “Para este indicador, o estudo considera pontos importantes de planejamento e execução de projetos que impactam diretamente na qualidade de vida da população e no desenvolvimento do município. Estamos muito felizes com o resultado”, disse o prefeito.

A nota atribuída a “Urbanismo” leva em conta despesa municipal com urbanismo, vias pavimentadas, emissão de certidão negativa de débito e alvará no site da Prefeitura, leis sobre zoneamento ou uso e ocupação do solo, sobre operação urbana consorciada (importante para impulsionar o desenvolvimento das regiões da cidade e investir em infraestrutura) e plano diretor estratégico municipal.

O Ranking Connected Smart Cities é feito com o objetivo de mapear as cidades com maior potencial de desenvolvimento no Brasil baseado em 11 indicadores desenvolvidos pela Urban Systems.

Prefeito Rogério Franco

Fonte: https://jeonline.com.br