Arquivo diários:1 de outubro de 2018

Confira dicas para ter um jardim em seu apartamento.

Resultado de imagem para jardins em apartamentos

Qualquer comida fica mais saborosa quando se usa ingredientes frescos – o gosto fica ainda mais especial se colhidos na horta de casa. Mas se você não mora em um lugar com quintal, não pense que terá de se privar desse pequeno prazer: é possível manter uma hortinha também em apartamentos.

Como a maior parte dos apartamentos não costuma ter muita abertura para a entrada de luz solar, nem muito espaço para a disposição da horta, o mais indicado é o cultivo de ervas aromáticas e temperos.

Vaso com salsinha

“Uma pessoa sem muito tempo para cultivar pode optar por plantas como hortelã, manjericão e salsinha”, diz o paisagista Eduardo Mera.

O cultivo dessas plantas não tem muito mistério: é necessário apenas aguá-las com alguma periodicidade (basta regá-las quando a terra estiver seca, com o cuidado de não encharcar muito o vaso) e deixá-las expostas a um pouco de luz solar (leia no texto ao lado). Coentro, cebolinha, alecrim e algumas variedades de pimenteiras (como a malagueta) também são plantas indicadas a quem não tem muito tempo ou paciência para dedicar muitos cuidados.

Mas seria adequado ter dentro do apartamento pés de frutas? A paisagista Renata Villar diz que alguns tipos de plantas frutíferas podem ser cultivados sem problemas. “As mais usadas são os pés de jabuticaba, romã, pitanga e laranjinha kinkan. Mas nunca em vasos pequenos”, alerta. Eduardo Mera concorda: “É necessário respeitar o sistema radicular, ou seja: são plantas que precisam de vasos compatíveis a suas raízes.”

Mas se temperos e frutas se adaptam à vida em apartamentos, o mesmo não se aplica a legumes e verduras, pois requerem maiores cuidados, segundo Renata Villar.

Algumas variedades, porém, como o tomate-cereja, são de fácil cultivo.

Horta em apartamento projetada pela paisagista Renata Villar, com manjericão, pimenta e hortelã

Hortaliças precisam de 4 horas de sol por dia

Não são todos os apartamentos que têm um espaço mais arejado para abrigar uma horta. Mas é possível cultivar hortaliças em áreas internas, desde que atentando para alguns cuidados.

“É necessário que a planta esteja próxima de uma janela ou de uma fonte de luz natural. Para o plantio de temperos e hortaliças, é preciso que se tenha pelo menos 4 horas de sol por dia”, explica o paisagista Eduardo Mera.

E a proximidade de uma janela é essencial também por outro motivo. “É importante que a planta receba ventilação natural”, diz Mera. Mas a paisagista Renata Villar alerta: “Só é preciso cuidado com as correntes de ar. Os temperos não costumam suportar ventos”.

Muitas pessoas preferem juntar várias plantinhas e ervas em um mesmo vaso ou em um mesmo canteiro. Pode até ficar bonito, mas em termos práticos, talvez não seja a melhor das ideias. “A pessoa pode juntar as plantas no mesmo local, mas por questão de facilidade no manuseio e manutenção. O ideal é que o plantio dos temperos e hortaliças sejam feitos em vasos separados”, aconselha Mera.

Três plantas para seu apartamento

Tomate-cereja: São plantas que podem ser cultivadas em vasos de tamanho reduzido. Em pouco mais de um mês, já dão frutos, que podem ser usados em saladas ou para fazer molhos para massas.

Pimenta-malagueta: Dizem que ajuda até a espantar a inveja, absorvendo as energias negativas do ambiente. Além disso, são plantas vistosas (o vermelho da pimenta pode ser um elemento estético em uma horta) e fáceis de cultivar.

Manjericão: São fartas e costumam produzir bastante folhas, garantindo rotineiramente um toque especial para saladas, molhos e fica ótimo em sucos!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: https://www.metrojornal.com.br

Experiências e tecnologia se integram a lançamentos.

Iniciativas têm objetivo de atrair cliente ao estande e mostrar características do produto

Gamaro expõe decoração diferenciada por décadas em estande de vendas. Foto: Casa Pomaaalo/Gamaro

De tecnologias de imersão e personalização à distribuição de presentes de primeira linha, passando por construções inusitadas e projetos sociais, cada vez mais construtoras e incorporadoras colocam em ação estratégias diferentes para os seus lançamentos.

O estande de vendas convencional ganhou reforços, a fim de garantir, de acordo com as empresas, melhor experiência aos clientes. “Tudo isso veio para somar. Para uma família, a aquisição do imóvel é um momento importante e os estandes trazem mais convencimento na hora da compra”, afirma o diretor da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), Reinaldo Fincatti.

Pensando em destacar o empreendimento, atrair público e consequentemente alavancar vendas, o estande do O Parque, projeto do Grupo Gamaro, foi transformado, como define o diretor de incorporação, Vinicius Amato, em um “parque de diversões para adultos”. “O cliente, hoje, não compra produto, ele compra uma experiência atrelada a um produto. Nós quisemos fazer um espaço de experiências”, diz Amato.

Floresta virtual é um dos chamarizes de um dos estande vendas da Gamaro, cuja construção custou R$ 7 milhões. Foto: Casa Pomaaalo/Gamaro

O empresário conta que o estande de vendas possui várias estratégias simultâneas. Ao entrar no local, há um túnel interativo de projeção mapeada. Conforme o visitante caminha, surgem imagens de animais e plantas, como uma floresta virtual. Há também um elevador com telas mostrando vídeos de perspectivas, que se movimentam dando a quem está a bordo a ilusão de sobrevoar o empreendimento. Por fim, cada uma das sete réplicas de apartamentos é apresentada com a decoração de uma década diferente. O último ambiente, que remete a 2038, é uma sala branca, do piso ao teto. O cliente coloca um óculos 3D e enxerga o espaço decorado com detalhes futuristas. O gasto com todo o projeto, segundo Amato, foi de aproximadamente R$ 7 milhões.

Outra parte da estratégia de marketing do empreendimento é propor parcerias com comerciantes do entorno – o Brooklin Paulista –, que se tornam embaixadores do lançamento. Funciona da seguinte maneira: por um aplicativo, as pessoas que visitam o estande de vendas ganham desconto nos estabelecimentos parceiros. Amato conta que O Parque recebeu, em 20 dias, o maior número de interessados do que qualquer outro produto da incorporadora com as mesmas características construtivas e de preço em dois anos. É uma estratégia acertada, diz o diretor.

Floresta virtual é um dos chamarizes de um dos estande vendas da Gamaro, cuja construção custou R$ 7 milhões. Foto: Casa Pomaaalo/Gamaro

Diferencial.

A Nortis Incorporadora criou uma réplica em andaimes dos primeiros andares do Pod, em Pinheiros, que segundo a empresa, tem um projeto diferenciado. A proposta é dar a quem passa pelo local uma ideia da magnitude da obra. Os 20 metros de construção possuem tecidos que, iluminados, formam um jogo de luzes.

“Sabíamos que o cliente só teria a real percepção do quanto aquilo seria bacana quando estivesse pronto, e não no folder. Agora, o estande é muito mais que a venda, mas um espaço de intervenção urbana”, comenta o diretor da empresa, Daniel Toti. “Isso é para trazer a experiência, mas também para despertar a atenção e, quem sabe, conseguir uma visita espontânea de um cliente.”

A advogada Maria Lygia Pires, de 58 anos, foi umas das passantes que se interessou pelo Pod. “Os andaimes são um chamariz. Se o atrativo já é diferenciado, possivelmente o produto também deve ser distinto e ter personalidade.”

Horta coletiva é uma das iniciativas do projeto Bem Viver Centro. Foto: Luis Henrique Madaleno/Magik JC

Integração.

Nem só de iniciativas grandiosas vivem as estratégias de lançamento. Eventos sociais, que possibilitam a integração com moradores do entorno, também podem ser uma ferramenta valiosa para atrair compradores ao estande de vendas. “Funciona como um marketing do bem”, diz André Czitrom, diretor da construtora Magik JC.

A empresa criou o projeto Bem Viver Centro, que aproveita o terreno dos futuros empreendimentos para promover atividades envolvendo as comunidades locais. Oficinas, praças com wi-fi aberto, horta coletiva, brincadeiras infantis e até uma festa junina já estiveram entre as ações adotadas. “Percebemos que faria mais sentido, em vez de focar em publicidade agressiva, propor iniciativas que conversam com a cidade”, diz Czitrom.

Todas as atrações são gratuitas. Quem participa pode acabar querendo visitar o estande, que também costuma apresentar exposições de artistas da região. “Desde o princípio, eu acompanhava as ações realizadas no terreno antes de iniciar as obras, e isso me incentivou a conhecer o projeto”, conta a produtora de eventos Larissa Baleeiro, de 25 anos, compradora de um imóvel da Magik JC. Para ela, as atividades “aproximam o cliente da empresa e tornam a relação mais especial”.

Presentes.

Outra estratégia muito usada é a entrega de brindes para quem visita os estandes. “É a forma que encontramos de incentivar o público interessado a conhecer um pouco mais sobre o conceito do produto”, conta o diretor comercial da Even Construtora e Incorporadora, Marcelo Dzik. A empresa começou distribuindo vouchers de cinemas e restaurantes, e agora já oferece presentes como barril de cerveja, churrasqueira portátil, kit de cosméticos e caixa de cápsulas de café.

Dzik afirma que as ações possuem retorno positivo, atraindo muitos visitantes. Ele, no entanto, explica que o mimo não é garantia de compra, mas uma ferramenta para despertar o interesse do cliente. “Mais do que oferecer brindes, queremos proporcionar boas experiências.”

Fonte: https://economia.estadao.com.br 

Por Jéssica Díez Corrêa, especial para O Estado