Arquivo diários:5 de fevereiro de 2019

Pré-fabricados de betão com casca de arroz para construção sustentável.

Soluções construtivas, à base de pré-fabricados de betão com casca de arroz, de equipa de investigadores do Itecons ganha Bolsa de Ignição do INOV C 2020. Uma solução para painéis de revestimento, barreiras acústicas e outros elementos de arquitetura urbana.

  

Pré-fabricados de betão com casca de arroz para construção sustentável
Pré-fabricados de betão com casca de arroz para construção sustentável. Foto: DR

 

Investigadores do Itecons apresentam soluções de pré-fabricados de betão leve produzido a partir de casca de arroz. A introdução de casca de arroz no betão permite reduzir custos e aumentar a sustentabilidade de soluções construtivas.

O projeto apresentado pelo IteconsInstituto de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico para a Construção, Energia, Ambiente e Sustentabilidade, da Universidade de Coimbra, ganhou uma das 15 Bolsas de Ignição financiadas pelo INOV C 2020, e é assim suportado por fundos do FEDER. O NOV C 2020 pretende desta forma alavancar ideias de empreendedorismo e inovação na região centro.

João Almeida, do Itecons, explicou que “o betão é um dos materiais de construção mais utilizados. No entanto, a sua produção tem impactes ambientais significativos, relacionados com a extração de matérias-primas, consumo de energia e emissões de CO2”, pelo que o projeto do Itecons procura tirar partido “da incorporação de subprodutos da atividade agrícola do Baixo Mondego, definindo novas soluções construtivas de elevado desempenho e sustentabilidade, tais como painéis de revestimento de fachadas, barreiras acústicas e outros elementos de arquitetura urbana”.

A equipa de investigação considera que a aplicação da casca de arroz na pré-fabricação vai permitir que para além de reduzir custos, também aumenta a sustentabilidade das soluções construtivas. Os investigadores referem que “o conceito de sustentabilidade aplicado ao setor da construção tem estimulado o desenvolvimento de novos materiais a partir de resíduos e de outros recursos naturais renováveis, permitindo, desta forma, responder às exigências da arquitetura moderna e da construção sustentável”.

Os investigadores lembram que o betão é um dos materiais de construção mais utilizados devido às suas características funcionais e elevada durabilidade, mas a sua produção tem impactes ambientais significativos, pelo que nos últimos anos vão possivelmente surgir soluções para atenuar os efeitos negativos, através da incorporação de resíduos e do desenvolvimento de soluções pré-fabricadas.

Para os investigadores “a utilização de subprodutos agrícolas da região do Baixo Mondego, como é o caso da casca de arroz, pode oferecer importantes vantagens, não só na criação de um elemento destinado à construção sustentável, como também para a economia local.”

“Considerando o elevado volume de betão que continua a ser produzido anualmente, a incorporação deste tipo de resíduos e o desenvolvimento de soluções pré-fabricadas podem contribuir para melhorar a sustentabilidade global dos produtos” concluem os investigadores do Itecons.

O Itecons é uma associação privada sem fins lucrativos, que integra mais de 60 entidades ligadas ao tecido empresarial, municípios e outras instituições, funcionando como interface dinâmica de transferência e valorização do conhecimento gerado na Universidade de Coimbra.

Fonte: www.tveuropa.pt

 

Smart City Laguna: A Primeira Cidade Inteligente Social do Mundo Traz Uma Inédita Proposta de Desenvolvimento Urbano.

MODELO DO PROJETO PILOTO SMART CITY LAGUNA (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Empreendimento voltado para 25 mil pessoas está sendo desenvolvido na Região Metropolitana de Fortaleza, próximo ao Complexo Industrial e Portuário do Pecém

Com o conceito “Viver, além de morar”, o Grupo PLANET, formado por empresas inglesas, italianas e brasileiras, está desenvolvendo em São Gonçalo do Amarante (CE), na Região Metropolitana de Fortaleza, a primeira Cidade Inteligente Social do Mundo: a Smart City Laguna. O empreendimento une inovações, tecnologia, sustentabilidade, planejamento urbano moderno e soluções de mobilidade em um só lugar, ou seja, alto padrão ao alcance de todos, com infraestrutura, serviços, projetos e tecnologia de alta qualidade.

Tendo com parceiras empresas multinacionais como Tim, Enel, Samsung, Urmet e Arup, a Smart City Laguna terá uma área total de 330 hectares, sendo aproximadamente 620 mil metros quadrados de área verde distribuídas por toda cidade, e será composta por cerca de 7 mil lotes, entre residenciais, comerciais e empresariais. Toda a cidade inteligente será saneada e pavimentada. Durante o primeiro semestre de 2018, foi concluída a entrega de 100% da primeira etapa, ou seja, 1.808 lotes, e todo empreendimento encerrou o ano atingindo a marca de aproximadamente 3.000 lotes vendidos.

Investimento

Ao todo, foram investidos US$ 50 milhões e o projeto tem como objetivo ajudar a suprir o déficit habitacional de uma região apontada por estudos como uma área de grande potencial e desenvolvimento do mundo, onde está inserido o   (Cipp), e ao mesmo tempo apresentar ao mundo um inédito modelo referencial para novas cidades, com expectativa e estrutura para comportar cerca de 25 mil pessoas. A região do Cipp conta com dois importantes equipamentos: o Porto do Pecém, que opera desde 2002, e desponta como um dos principais terminais portuários do Brasil e em breve estará sob a gestão do Porto de Roterdã (Holanda); e a Companhia Siderúrgica do Pecém, um dos maiores investimentos privados do País.

Financiado com recursos próprios, o empreendimento é uma realização da empresa brasileira SG Desenvolvimento, onde seus fundadores possuem 25 anos de experiência no mercado imobiliário e na construção civil nacional e internacional. De acordo com a CEO da PLANET no Brasil e da SG Desenvolvimento, Susanna Marchionni, o local escolhido para a construção da Smart City Laguna é um celeiro de oportunidades, pois está inserida em uma das regiões mais prósperas do Brasil. “Sem dúvida alguma, o projeto está provocando um despertar em todo o mercado imobiliário brasileiro, atingindo positivamente o poder público na forma de desenvolvimento das cidades. Sendo um projeto que já alcança uma certa visibilidade internacional, consequentemente conduzirá o Ceará ao cenário urbano mundial”, afirma.

Aumento de capital

O Conselho de Administração da PLANET Holding fechou um novo aumento de capital em 2018, consistindo em 34 milhões de euros de 193 acionistas, entre novos e antigos. O novo aumento de capital aconteceu após a primeira rodada de investimento de 10 milhões de euros, realizada em 10 de setembro de 2018, com a chegada de novos acionistas, entre eles o novo Presidente do Grupo, o cientista italiano Stefano Buono, endossando um ambicioso plano de expansão, que tem como objetivo acelerar a realização do projeto piloto da Smart City Laguna, com a construção de 6.500 unidades habitacionais, e lançar três novos projetos no Brasil nos próximos meses e cinco projetos em outros países caracterizados por um grande déficit habitacional acessível.

Primeiros moradores

Em janeiro de 2019, a Cidade Inteligente recebeu os seus primeiros moradores, o casal Marta e Carlos, que morava no Rio de Janeiro. As moradias da Smart City Laguna são acessíveis a todas as faixas de renda. O Grupo PLANET irá aplicar ali o conceito da ‘convivência colaborativa’, ainda inédito no Brasil. “Ela consiste em estimular o desenvolvimento de uma cultura voltada para a economia doméstica e coletiva. O cidadão dispõe de uma estrutura social, com ferramentas que proporcionam mecanismos de compartilhamentos e interações geradoras de economia e qualidade de vida”, destaca Susanna Marchionni.

Os quatro pilares

Na sua essência conceitual, o empreendimento propõe o desenvolvimento e patrocínio de ações sustentáveis, bem como o implemento de tecnologias que estimulam e permitem, na medida do desenvolvimento habitacional do núcleo urbano, que a própria coletividade seja a propulsora da sustentabilidade nos quatro pilares de sustentação que o projeto preconiza para uma Cidade Inteligente Social: Pessoas, Sistemas Tecnológicos, Recursos do Ecossistema e Ambiente Construído.

Os moradores da Smart City Laguna contarão com sistemas de aproveitamento das águas pluviais, serviços de mobilidade, coleta inteligente de resíduos, energia solar, monitoramento da qualidade do ar e da água, infraestrutura digital com Wi-fi grátis nas áreas institucionais da cidade, rede subterrânea inteligente de eletricidade, com iluminação pública de LED, câmeras e sensores e totens.

Ainda de acordo com Susanna Marchionni, todo o projeto urbanístico foi planejado para o presente e projetado para o futuro. “Dentro do projeto, contamos com um cinturão verde distribuído por todo empreendimento, implantação das vias públicas no sentido de proporcionar plena fluidez no trânsito, com ciclovias por todo empreendimento, além de calçadas largas com total acessibilidade, ligações domiciliares de água e esgoto já na área privativa dos lotes, drenagem profunda total, terraplanagem observando os mais altos padrões técnicos e pavimentação em piso de concreto intertravado com alto grau de resistência”, explica.

PLANET App

O PLANET App é o painel de controle da Cidade Inteligente. Os moradores podem baixar gratuitamente o aplicativo nas versões Android ou iOS. Após o cadastro, os usuários terão acesso a todos os serviços da cidade, além de contato com outros moradores, participação em projetos e serviços disponíveis e acesso a dados privados do próprio usuário, como monitoramento do consumo de água e de energia de sua residência. Ao iniciar o aplicativo, o usuário pode selecionar as suas preferências, indicar seus locais de interesse da cidade e selecionar filtros de navegação. O item mais destacado na tela do PLANET App é um botão de SOS que, quando clicado, aciona os 5 números de emergência predefinidos a critério do usuário (amigos ou parentes), permitindo o imediato chamado de socorro, com a geolocalização da pessoa que está utilizando a ferramenta. Atualmente, o aplicativo mostra também em tempo real o andamento das obras da cidade e transmitirá também em tempo real o vídeomonitoramento das quadras da Cidade Inteligente, mas apenas para os moradores.

Ecopark

A Smart City Laguna conta também com um polo tecnológico e empresarial, o Smart City Ecopark, possui uma infraestrutura de alta qualidade e foi planejado para receber empresas com propostas sustentáveis e economicamente positivas e será separada das áreas residenciais e comerciais por um cinturão verde.

Centro de Competência

Em novembro de 2018, a PLANET Idea, Centro de Competência do Grupo na Itália, juntamente com as empresas italianas DBA Group, Lombardini22, Re_view e U.lab formaram a FHIVE, que será o maior Centro de Competência sobre Cidades Inteligentes do Mundo, com 600 profissionais e faturamento total de 70 milhões de euros. A PLANET Idea atua como um laboratório interno de inovação para integrar soluções inteligentes nos projetos do Grupo, mas também nos projetos de parceiros, na Itália e no exterior. Atualmente, está assessorando os dois maiores fundos imobiliários italianos que desenvolvem novos bairros inteligentes em Milão (650 apartamentos) e Roma (950 apartamentos).

Sobre o Grupo PLANET

A PLANET possui mais de 300 funcionários em todo o Reino Unido, Brasil e Itália. É uma líder global na integração de soluções inteligentes e práticas de inovação social na concepção e desenvolvimento de grandes projetos de habitação social. A segunda cidade inteligente social do mundo foi anunciada no Brasil em setembro de 2018, na Região Metropolitana de Natal, no estado do Rio Grande do Norte, em uma área de mais de 170 hectares.

Site da PLANET: www.planetsmartcity.com

Site da Smart City Laguna: www.smartcitylaguna.com.br

Fonte: www.segs.com.br

  • Escrito ou enviado por  Christiane Alves