Arquivo diários:25 de fevereiro de 2019

Lerner projeta transformação de Minhocão de São Paulo em parque

Minhocão: custo estimado da obra é de R$ 38 milhões e a previsão de entrega é dezembro de 2020

Minhocão: custo estimado da obra é de R$ 38 milhões e a previsão de entrega é dezembro de 2020 (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

A Prefeitura de São Paulo anunciou que o Elevado João Goulart, mais conhecido como Minhocão, deixará de servir exclusivamente como local de passagem de veículos para dar lugar a um Parque Linear. O projeto estrutural, que contempla iluminação, acessos, sistema viário e transporte público, deve começar a ser executado ainda este mês. Ele tem conceito urbanístico e referências do arquiteto e ex-prefeito de Curitiba e ex-governador do Paraná Jaime Lerner. O custo estimado é de R$ 38 milhões e a previsão de entrega é dezembro de 2020.

Concebido na década de 70 para ligar as zonas leste e oeste da cidade, a desativação do Minhocão vem sendo debatida há décadas. O elevado prejudica moradores das redondezas, que convivem com poluição sonora, atmosférica e visual provocada pela constante circulação de veículos. A via, no entanto, tem importância na fluidez do trânsito, sobretudo no centro da capital paulista.

Por isso, o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) pediu esclarecimentos ao secretário municipal de Urbanismo e Licenciamento, Fernando Barrancos Chucre. A preocupação é, justamente, os impactos provocados ao tráfego de automóveis com a desativação do Minhocão. O secretário foi chamado para comparecer ao MP-SP na próxima quarta-feira (27) para apresentar os estudos sobre o assunto.

Fonte: www.bemparana.com.br

Jundiaí fornece roteiro turístico para os amantes de vinho.

Rota da uva conta com adegas, restaurantes e lojas tradicionais mantidas por imigrantes italianos

ColunaViagens

Istock Photos

Se você é daqueles que adora um vinho, com certeza já ouviu falar das bebidas produzidas pela serra gaúcha. No interior de São Paulo, no entanto, a produção também é intensa e uma das cidades que mais se destaca é Jundiaí, há aproximadamente 50 km da capital. Com belas paisagens e aspecto interiorano, o município guarda tradições trazidas pelos imigrantes italianos.

A rota da uva passa por importantes bairros povoados por imigrantes italianos no século XIX: Caxambú, Colônia, Toca e Roseira. Até hoje, essa região é marcada pelas tradições e pela gastronomia italiana. Apesar do principal aspecto ser a fruta e o vinho, na rota da uva você encontra uma boa variedade de bolos, pães, massas, doces e geleias.

A hospitalidade da população jundiaiense se mistura com os gostos, cheiros e com a atmosfera própria do campo. A maior parte das adegas disponíveis na rota da uva são familiares. Para quem gosta da bebida, é possível conhecer vinhos tintos, brancos, suaves e secos, cada um com uma particularidade em relação a produção, história ou comercialização. Em alguns casos, você pode até conhecer o processo de produção das bebidas.

Se você quiser levar os vinhos para casa, não se preocupe. As adegas vendem os produtos de forma separada. A maior da região é a Adega Maziero, com produção anual que gira em torno de 60 e 70 mil litros. Pratos fartos da culinária italiana também estão nos arredores em restaurantes especializados, assim como lojas especiais para quem quiser levar alguma lembrança para casa.

Se engana, no entanto, quem acredita que a cidade de Jundiaí é apenas um destino turístico para os amantes da cultura italiana e de vinhos. O município já se tornou lar de muitos brasileiros. Ano a ano, cresce a procura por casas a venda em Jundiaí.

Segundo estudo divulgado pelo Sindicato de Habitação (Secovi-SP) entre dezembro de 2017 e dezembro de 2018, foram lançadas 750 unidades no período, o que representa 53% a mais do que no último levantamento, quando a cidade registrou 489 novas residências. Além disso, 1.080 imóveis novos foram comercializados no município.

O estudo foi desenvolvido por Robert Michel Zarif, em parceria com o Departamento de Economia e Estatística do Sindicato da Habitação. Os dados começaram a ser coletados em 2015. Até o ano passado, em três anos Jundiaí registrou 2.606 imóveis residenciais lançados, sendo que 2.094 unidades foram comercializadas (80,4% do total).

Fonte: http://www.capitalnews.com.br