Arquivo diários:16 de maio de 2019

Conheça 10 fatores que valorizam o imóvel

Investir em um imóvel é uma das opções mais seguras que existe no Brasil. Não só porque eles resistem a desvalorização nos altos e baixos do mercado financeiro, como são valorizados ao longo do tempo. Porém, para que o investimento tenha válido mais a pena e que o imóvel tenha sua valorização, é preciso levar em conta diversos aspectos.

Pensando nisso e na volta do crescimento do mercado imobiliário, o Jornal SP Norte separou algumas dicas para ajudar no melhor investimento:

Localização – A maioria dos especialistas do mercado imobiliário determinam que a localização é o fator fundamental na precificação de uma propriedade.

Bairro – Para ajudar nesta analise, é preciso verificar o que o bairro oferece de melhor. Serviços como escolas, universidades, estabelecimentos 24 horas e centros comerciais bem próximos também são fundamentais.

Vizinhança – É importante saber o perfil da vizinhança, sua faixa etária e seus costume. Claro que não se resume a apenas nisso. Avaliando os imóveis da vizinha você pode ter uma base sobre como foram construídos, se tem boa qualidade, como ocorre em grandes empreendimentos residenciais e condomínios.

Móveis planejados – Caso o investimento já esteja construído e que seja destinado à locação é preferível que ele já venha mobiliado. A facilidade de um imóvel com armários e móveis embutidos facilita na hora da locação, se tornando um diferencial e resultando numa valorização do imóvel.

Imóvel na planta – A possibilidade de alteração do projeto original pode levar a valorização do imóvel, especialmente se tratando de venda.

Documentação – Algo que deveria ser obrigatório, mas muitos vendedores acabam deixando de lado. A documentação regularizada, tanto ajuda na vida pessoal do investidor, como na valorização do imóvel.

Segurança – Algo cada vez mais desejado para quem vive nas grandes metrópoles. Antes de investir esteja atento com a região para escolher um local seguro.

Acessibilidade – Se locomover pela cidade tem sido um desafio cada vez maior para quem vive nas metrópoles. Planejar a compra de um imóvel que tenha fácil acesso ao transporte público e as principais vias da cidade é determinante na valorização.

Vista – Cada vez mais as pessoas buscam o bem estar. A vista e a iluminação natural que entra nos cômodos é um fator que de ser levado em consideração. Um apartamento com as janelas voltadas ao prédio vizinho, por exemplo, onde a luz natural é bloqueada, não será bem visto.

Tecnologia – Imóveis com boa inserção de itens tecnológicos também são, obviamente, mais valorizados nos dias de hoje. Um portão eletrônico na garagem e na portaria, por exemplo, são itens que facilitam a vida de qualquer pessoa no dia a dia.

Fonte: www.jornalspnorte.com.br

Taxa de vacância nos escritórios de alto padrão cai em SP


Foto: Divulgação

A taxa de vacância nos escritórios paulistanos de alto padrão segue a tendência de queda em relação aos últimos trimestres e atinge o índice de 18%, dado alcançado somente em 2013. É o menor resultado nos últimos cinco anos. Os dados, medidos trimestralmente pela Colliers International Brasil, revelam que as taxas mais baixas estão no Itaim Bibi e JK (ambos com 2%), Vila Olímpia (7%) e Barra Funda (9%). Já os maiores índices são encontrados em Santo Amaro (50%), Chácara Sto. Antônio (46%) e Marginal Pinheiros (29%). “Nossa previsão de redução na taxa de vacância tem se concretizado trimestre a trimestre e deve continuar assim nos próximos meses. Temos poucos empreendimentos corporativos a serem entregues nos próximos anos e isso abrirá uma janela para que os preços voltem a crescer”, acrescenta Ricardo Betancourt, presidente da Colliers Brasil.

A região da Faria Lima, na capital, foi a que apresentou a maior quantidade de m² locados no mercado imobiliário de escritórios de alto padrão no primeiro trimestre de 2019. Os dados revelam que a absorção bruta da região foi de 23 mil m² entre os meses de janeiro, fevereiro e março. A Faria Lima foi responsável por 40% de todas locações do primeiro trimestre, sendo que o saldo total nos escritórios paulistanos de alto padrão foi de 57 mil m².

Em relação à absorção líquida – saldo da diferença entre áreas locadas e áreas devolvidas, a região da Faria Lima também lidera as estatísticas. O saldo foi de 18 mil m² na região, seguido pela Chucri Zaidan com 8 mil m² e pela Barra Funda que apresentou 7 mil m² de absorção líquida neste primeiro trimestre de 2019.

O preço médio manteve-se estável fechando em R$ 84 m²/mês no primeiro trimestre de 2019. As regiões do Itaim Bibi (R$ 147 m²/mês), Faria Lima (R$ 143 m²/mês), JK (R$ 125m²/mês) e Paulista (R$ 107 m²/mês) detêm os valores mais altos da cidade, enquanto os preços mais acessíveis estão na Marginal Pinheiros (R$ 51 m²/mês), Santo Amaro (R$ 53 m²/mês) e na Chácara Santo Antônio (R$ 66 m²/mês).

Inventário.

O atual inventário do mercado imobiliário de escritórios de alto padrão em São Paulo é de 2.971 mil m². O setor financeiro é responsável por mais de 40% do inventário locado em São Paulo. A pesquisa realizada pela Colliers abrange as regiões Barra Funda, Berrini, Chácara Santo Antônio, Chucri Zaidan, Faria Lima, Itaim Bibi, Juscelino Kubitschek, Marginal Pinheiros, Paulista, Pinheiros, Santo Amaro e Vila Olímpia.

Classe B.

Nos imóveis de classe B da cidade de São Paulo, a taxa de vacância segue estável em relação ao trimestre anterior. O índice continua em 20% na medição dos meses de janeiro, fevereiro e março. Já a absorção bruta no primeiro trimestre foi de 49 mil m². Em relação aos preços médios pedidos de locação, o valor fechou o período em R$ 72 m²/mês, praticamente estável em relação ao último trimestre de 2018, quando o preço registrado foi R$ 71 m²/mês.

(Redação – Investimentos e Notícias)


Fonte: http://www.investimentosenoticias.com.br