Inteligência artificial será exigência nas moradias.

Mercado ainda encara a automação como luxo, mas em breve será indispensável para a venda.

A tecnologia em casa não deve ser vista apenas como um luxo, pois além das praticidades que pode permitir aos moradores, também interfere na economia e sustentabilidade de um lar.

Apesar de ainda ser um serviço de custo relativamente alto e, portanto, mais voltado às classes alta e média alta, a utilização de sistemas automáticos deve ser estudada. Isso porque o investimento pode impactar em um controle e diminuição de gastos – fator importante na decisão pelo imóvel.

Mercado ainda encara a automação como luxo, mas em breve será indispensável para a venda (Foto: Shutterstock)

O diretor global de inovações da Vector ITC Group, Rafael Conde Del Pozo, destaca que tanto a automação quanto a inteligência artificial conseguem garantir o mesmo objetivo de economia. No entanto, ele ressalta a diferença entre as duas tecnologias. Enquanto a automação depende da utilização de controles, como tablets e smartphones, um sistema de inteligência artificial analisa as condições do ambiente e se ajusta sozinho às mudanças.

“A grande revolução virá com inteligência artificial aplicada a essa conexão entre o homem e os dispositivos, de modo que não precisaremos usar equipamentos móveis para ligar ou desligar as luzes, pois as próprias luzes saberão quando isso deverá ser feito, bem como quando precisarão reduzir o brilho”.

Pozo destaca que tudo é feito com base na análise do nosso comportamento e nos dados dos sensores. “Eles podem identificar se nossos olhos precisam de mais luz; ao dormimos apagam as luzes; se nos movêssemos pela casa as ativam; abrem as portas e ajustam a temperatura de forma que seja ideal para o corpo”.

O diretor, porém, ressalta que ainda estamos nos estágios preliminares da implantação dessas tecnologias. “Talvez estejamos em um momento em que essa mudança ainda não tenha sido percebida como uma ferramenta que permite reduzir custos, mas apenas melhorar a qualidade de vida”.

Casos de economia

Em casas que contam com dispositivos de automação, os moradores pode controlar tudo de maneira remota, o que garante que nada tenha sido esquecido ligado e, dessa forma, evitam desperdícios desnecessários.

“Pense em quantas vezes alguém já foi dormir, viajar, trabalhar e ficou na dúvida se desligou o ar-condicionado ou apagou as luzes? Com a automação, de qualquer lugar você pode enviar um comando para desligar um equipamento ”, diz Tiago Munari sócio-diretor da TKhouse.

Mas, segundo ele, o refinamento do sistema pode ser maior. “Existe a possibilidade, por exemplo, de diminuir em 10% a intensidades de luz. Com isso, a vida útil da lâmpada aumenta consideravelmente, além de gerar uma economia na conta, sem que seja percebida uma redução na intensidade (da luz)”, complementa Munari.

Fonte: Zap Imóveis