Mercado imobiliário se transforma para manter-se ativo.

 

As mudanças no segmento refletem no comportamento de quem quer comprar imóvel para morar ou como investimento. Empresa segue antenada a essas transformações

Em meio às mudanças decorrentes das crises econômicas e das projeções macroeconômicas, como a redução das taxas de juros e a queda da inflação, o mercado imobiliário tende a se transformar como forma de se manter ativo. Neste cenário de instabilidade e diante de uma sociedade que muda com os avanços tecnológicos, o setor sofre impactos diretos e indiretos.

De acordo com Rui Gondim, sócio-diretor da Vivar Imóveis, como qualquer setor produtivo, o mercado sofre, porém se beneficia com as mudanças, quer por via normal ou por via da crise. “A empresa que não acompanhar a evolução do mercado em que está inserida, morre. Então, sempre estamos e estaremos atentos às mudanças de comportamento de quem quer comprar, alugar e vender um imóvel. O mercado é um corpo vivo em constante mudança”, pontua. 

Essa transformação de mercado acaba refletindo no perfil de um novo consumidor, mais consciente e precavido. “O mercado vem mudando bastante, mas isso sempre foi assim. A forma como nosso cliente busca e compra seu imóvel já não é mais como antes. Hoje, nosso cliente tem uma jornada de compra mais consciente, faz muitas pesquisas e coleta o máximo de informações sobre o imóvel antes de fechar um negócio. O ir e vir, o deslocamento e o tempo são variáveis muito caras para todos”, ressalta o diretor da Vivar Imóveis. 

A mais recente mudança no mercado foi a redução das taxas de juros do crédito imobiliário e o aumento do percentual do valor do imóvel usado financiado pela Caixa Econômica Federal. A medida foi considerada positiva pelo setor imobiliário. As taxas mínimas passaram de 10,25% ao ano para 9%, no caso de imóveis do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e de 11,25% ao ano para 10% ao ano para imóveis enquadrados no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI). Além de voltar a financiar até 70% do imóvel usado. “Extremamente interessante para quem quer investir ou comprar. Toda vez que os juros caem, o mercado imobiliário se beneficia de forma geral com novos lançamentos e a especulação financeira fica prejudicada.” 

Com as transformações trazidas pelo marketing digital e a popularização do acesso à internet, as imobiliárias e corretores começaram a se preocupar cada vez mais em atrair e facilitar o acesso às novas tendências. “Estamos atento às mudanças de mercado e ao comportamento do consumidor. Percebemos que o mercado está mais digital e começamos a reforçar nossa presença nesse meio de forma mais contundente e expressiva”, salienta Rui Gondim. 

As eleições em 2018 também são fator de preocupação para o mercado. Para Gondim, todo ano eletivo, especialmente no período eleitoral, é sempre conturbado para todos os mercados, já que a instabilidade política provoca insegurança do investidor. “Por outro lado, essa mesma instabilidade política causa uma turbulência maior na área financeira, o que favorece a decisão para um investimento mais seguro no setor imobiliário.” (EM)

Fonte: http://gestor-imobiliario.blogspot.com.br