Pesquisa: quem são os Millennials e quais são suas prioridades de vida?

 

Em 2018, os mais novos da geração Millennial (os nascidos em 1994 estarão com 24 anos em 2018) se formarão na faculdade e entrarão no mercado de trabalho. No entanto, a geração Millennial enfrenta um mar de desafios à medida que entra na vida adulta, tal como fragilidade financeira e acessibilidade para adquirir imóveis. O estudo da empresa de pesquisa de mercado Euromonitor International, “How to Sell Home and Garden Products to Millennials”, aborda quem são os Millennials e quais são suas prioridades de vida. No estudo, a consultoria também apresenta oportunidade para que os fabricantes e varejistas possam conquistar os corações (e carteiras) da geração mais conectada, diversificada e instruída da história.  Veja abaixo alguns destaques do estudo.

Há uma diferença marcante nas atitudes dos Millennials de países desenvolvidos e emergentes. 
Em mercados emergentes como a Índia e a China, os Millennials recebem salários comparativamente mais baixos em relação aos padrões internacionais, mas possuem um maior poder aquisitivo em comparação aos seus pais e avós. Esses Millennials desfrutam de um padrão de vida mais alto que ultrapassa seus antecessores e veem o futuro com otimismo. No entanto, muitos Millennials em mercados desenvolvidos possuem renda menor do que seus pais Baby Boomers; eles também enfrentam o desafio da alta taxa de desemprego entre os jovens, assim como os encargos da dívida estudantil, inacessibilidade à moradia, baixos salários e um ambiente econômico incerto.

Nem crianças, nem adultos: Millennials na crise de um quarto de vida
Apesar de possuírem o desejo de independência, muitos Millennials estão saindo de casa cada vez mais tarde. Este atraso no estabelecimento de suas próprias famílias significa que a maioria dos lares em todo o mundo ainda são liderados por Baby Boomers, que representam apenas 18% da população, mas lideram mais de 40% dos lares em todo o mundo em 2018. Os Millennials fazem parte de uma geração que não segue as normas sociais tradicionais. As tendências de adiar o casamento e ter menos filhos e mais tarde na vida levaram ao aumento do número lares com somente uma pessoa – perfil de lar que apresenta as taxas mais rápidas de crescimento. O número de apartamentos também apresentou um crescimento, de 12% entre 2012-2017, e representou o tipo de moradia que mais cresceu nesse período.

Geração “aluguel” sonha em de se tornar “geração proprietária”
À medida que as moradias se tornam cada vez mais inacessíveis nas grandes cidades, os Millennials, que deveriam estar no pico dos anos de aquisição de imóveis, estão alugando até depois dos 30 anos ou vivendo com seus pais – uma tendência chamada de “boomerang kids” (em tradução livre, “filhos bumerangues”). Não é que os Millennials relutem em comprar imóveis; assim como Baby Boomers e a Geração X, eles compartilham o mesmo sonho de eventualmente ter sua casa própria, mas eles simplesmente não estão com pressa. Ao adquirir os imóveis mais tarde, eles podem aproveitar a juventude e esperar pelo casamento e renda mais confortável antes de sair da casa dos pais.

Fonte: https://revistanews.com.br