Construção civil investe em equipamentos robotizados

Presença de máquinas robotizadas exigem profissionais com maior qualificação nos canteiros de obras. Crédito: Divulgação

Entre as razões para priorizar as “máquinas inteligentes” está a necessidade das empresas se manterem competitivas

Na recente edição da bauma, a maior feira de equipamentos para a construção civil, e que ocorre a cada 3 anos em Munique, na Alemanha, foi apresentado o “termômetro bauma da indústria”. Trata-se de medição de tendências. De acordo com as respostas de boa parte dos entrevistados, existe a predisposição em investir em novos equipamentos que priorizem a robótica. Foram ouvidos 10 mil empresários de várias nacionalidades, entre os que estiveram na feira. Para 28%, a robótica já é realidade em suas fábricas. Já 25% disseram que estão em processo de adequação de suas máquinas à era da indústria 4.0.

As razões para o investimento em “máquinas inteligentes” para a construção civil têm vários motivos, avalia Klaus Dittrich, presidente e CEO da Messe München – organizadora da bauma. “Uma das causas é que as empresas entendem esse investimento como imprescindível para se manterem competitivas no longo prazo”, diz. Outra razão é que os empresários do setor alegam dificuldades em contratar trabalhadores qualificados e também dizem ter consciência de que o futuro será das máquinas que operam de forma independente. Essa é a opinião de 58% dos entrevistados.

Para os analistas da bauma, a demanda por equipamentos robotizados já é realidade nos países industrializados, mas ainda não é prioridade em nações emergentes, como China, Índia, Rússia e Brasil. Nos Estados Unidos, no Canadá, no Japão e nas potências econômicas da Europa a busca por esse tipo de máquina se deve à crescente pressão competitiva (31% das respostas), leis e regulamentações ambientais mais rígidas (24%) e a digitalização de processos de negócios (19%). “Para permanecer aptas para o futuro, as empresas da construção devem incorporar permanentemente processos e sistemas inovadores”, destaca Klaus Dittrich.

Canteiros de obras se aproximam da indústria 4.0: caminho sem volta

Entre as máquinas com esse perfil, apresentadas na bauma 2019, os visitantes encontraram equipamentos com sensores e interfaces de comunicação que coletam dados e ajudam a melhorar a produtividade, o consumo de materiais e os custos operacionais. Além disso, ferramentas digitais ajudam a automatizar os fluxos de trabalho, o que está se tornando cada vez mais relevante, principalmente devido à escassez de mão de obra qualificada. A feira mostrou ainda máquinas que operam por óculos de realidade virtual, como pequenas escavadeiras, guindastes, gruas e empilhadeiras.

Entre os visitantes da bauma existe um bom número de empresários que atua com concretagem e industrialização do concreto. Para esses clientes, uma unidade totalmente automatizada para a produção de elementos para casas pré-fabricadas foi apresentada na feira. Sensores afixados em pontos das fôrmas se comunicam sem fio com uma unidade central de processamento. A margem de erro da concretagem é inferior a 2 milímetros, garante o fabricante italiano. “Parece ser um caminho sem volta. Estamos indo em direção aos canteiros de obras com controle digital. Quando eles chegarão? A bauma mostrou que estão cada vez mais próximos”, finaliza Mareile Kästner, diretora de exposição da feira alemã.

Veja como funciona uma unidade automatizada de elementos pré-fabricados

Entrevistado
Messe München, organizadora da bauma (via assessoria de imprensa)

Contato: info@bauma.de

Jornalista responsável: Altair Santos MTB 2330
Fonte: www.cimentoitambe.com.br