Aplicativos trazem inovação e novas demandas

Eles facilitaram as compras online e agora desafiam condomínios a atenderem necessidades de comodidade e segurança

Espaço para armazenamento de entregas da Vitacon, o Vita Entrega/ Crédito: divulgação
 
 

Fazer compra no mercado sem carregar peso, providenciar o jantar sem sair do sofá, usufruir de um carro particular só pelo tempo de que precisar. As vantagens dos aplicativos têm modificado cada vez mais profundamente a maneira como consumimos, como nos locomovemos e como moramos. “Eu trabalho das 8h às 18h. Paro pouquíssimo em casa. Posso adquirir um item a qualquer momento e, quando chegar, retiro. Mesmo comida congelada, que chega enquanto estou fora, recebo depois em perfeito estado”, conta Leon Carvalho, 33 anos, técnico em sinistro de automóveis. Ele diz que desfruta do espaço de guarda-entregas do condomínio onde mora desde que se mudou, em abril deste ano. “É extraordinário. Recebo uma mensagem quando a compra chega. Para mim, que moro sozinho, tem uma comodidade e segurança incríveis.”

Leon mora no Vita Bom Retiro, um condomínio que conta com lavanderia coletiva, espaço gourmet, academia, salão de festa e um roof top “com uma vista fantástica da cidade”. Além disso, o espaço chamado “Vita Entrega” está preparado para receber e armazenar encomendas feitas pelos moradores pelo tempo que for necessário, equipado com prateleiras, armários privativos, geladeira e congelador. “Desde a fundação da empresa, pensamos em inovação constantemente e estudamos para onde estão se encaminhando os novos hábitos de consumo. Entendemos que a habitação deve acompanhar”, declara Alexandre Lafer Frankel, fundador e CEO da Vitacon.

A ideia é que o morador possa comprar, receber e retirar sem qualquer interação humana. Os edifícios residenciais da empresa contam também com carros compartilhados, um por Alexandre Frankel: unidade predial, que fica disponível aos moradores e pode ser alugado por meio do aplicativo da Turbi. A empresa ainda aposta em espaço de coworking e até salas especiais para consultas médicas remotas, com conectividade e privacidade na mesma estrutura predial da residência. “Fazemos pesquisas antes e depois de implantar novas tecnologias, medimos a aderência e procuramos melhorar as soluções baseados no retorno dos clientes e nos dados.”

Comodidade acima de tudo

Outras empresas também estão modificando seus projetos a fim de se adequarem às novas demandas. É o caso da Setin. Com os lançamentos de SP Code Paulista e Downtown Nova República, pretendem alcançar moradores com perfil que os define como adeptos de um estilo de vida mais fluido, que querem estar em qualquer ponto da cidade sem muito esforço, segundo Eduardo Saviolli Pompeo, diretor de incorporação da Setin. Além dos espaços compartilhados, como lavanderia, coworking, salão gourmet, área de convívio e brinquedoteca, o térreo ainda abriga lojas e uma “Central de Delivery”. “É uma sala dentro da área comum do condomínio, próxima à guarita, com um funcionário responsável por receber a encomenda e armazená-la corretamente.” 

Pompeo lembra de que a disseminação do uso de aplicativos é um fenômeno recente, de quatro ou cinco anos pra cá. “Essa demanda vem dos usuários dos nossos condomínios, que podem ser hóspedes por temporada, investidores, moradores ou inquilinos clássicos. Temos área fitness generosa e espaços de convivência que não podem mais ser um simples hall.” O executivo explica que até o lugar de circulação com animais de estimação dentro do condomínio está previsto e que a empresa aposta muito na mobilidade urbana, com apartamentos próximos aos metrôs e vias de fácil acesso aos principais pontos centrais da cidade.

Consumidores online

De acordo com pesquisa conduzida pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), sete em cada dez consumidores utilizam smartphone para compras online. O estudo, divulgado em junho deste ano, mostra ainda que 86% dos consumidores conectados realizaram ao menos uma aquisição em lojas online nos últimos 12 meses. Nesse período, o e-commerce brasileiro cresceu 37,5%, segundo dados do Perfil do E-Commerce Brasileiro, levantamento feito em parceria entre o Instituto BigData Corp e o PayPal Brasil.

“As compras pela internet aumentaram muito e têm pouca rejeição. Já é um negócio bem estabelecido. Em São Paulo, é cada vez mais comum que as pessoas façam vários pedidos e demandem áreas mais estruturadas”, reflete Marcelo Dzik, diretor comercial e de clientes da Even. Para ele, a correria durante a semana e o conforto nos finais de semana levam as pessoas a comprar cada vez mais online. “Antes, quando a gente pensava em uma portaria, era basicamente para receber correspondências. Hoje, o cenário é outro. Precisamos armazenar quentes, frios, congelados, encomendas grandes.”

O “Safe Storage” oferecido pela empresa conta com geladeira e compartimentos individuais que podem ser trancados, armários com isolamento térmico e outras áreas comuns pensadas como uma extensão da unidade residencial do usuário. “Acompanhamos esse tipo de demanda para produzirmos condomínios robustos e seguros, que se adequem à inovação dos aplicativos.”

 

Fonte: https://imoveis.estadao.com.br/