Coronavírus: como é viver em quarentena no maior complexo de apartamentos do Brasil

 

 

 

As dimensões e o luxo dos apartamentos são tão variadas quanto as realidades econômicas dos moradores – de apartamentos de 27 metros quadrados a outros com mais de 400 metros quadrados, o Copan funciona pelo trabalho de seus 102 funcionários como uma reprodução da própria sociedade brasileira.

A vista do alto do Copan

Por lá, desde janeiro que Affonso Celso Oliveira, síndico do edifício e conhecido pelos moradores como “prefeito”, decidiu fechar o acesso ao telhado do prédio, comumente frequentado por centenas de visitantes diários – tudo para evitar a contaminação pelo coronavírus.

 
Os elevadores são mantidos limpos de forma incessante, e os funcionários que podem recebem vales-combustível, a fim de evitarem transportes públicos. Os porteiros são orientados a relatarem moradores com sintomas, e uma moradora que retornou da Europa e apresentou sintomas passou a ser “cuidada” diariamente pela equipe do edifício.
 

O futuro é incerto em todo o país, e evidentemente que o Copan não está imune à pior pandemia que dos últimos cem anos, mas talvez o seu “prefeito” tenha muito a ensinar para nossas autoridades: com sua política rigorosa e considerando a doença por sua real gravidade, seu esforço vem sendo recompensado pela ausência de casos relatados até aqui dentro do prédio.

Fonte: https://www.hypeness.com.br/